Corte de diárias vai gerar prejuízo de mais de R$ 2,5 milhões para Piauí

O Governo do Estado anunciou o corte das diárias do mês de dezembro dos Técnicos Fazendários da Unidade de Fiscalização de Mercadorias em Trânsito (UNITRAN) da Secretaria Estadual da Fazenda do Paiuí. O Sindicato dos Técnicos da Fazenda Estadual do Piauí – SINTFEPI acredita que a retirada dos servidores de seus postos de trabalho, especialmente no interior, vai gerar uma perda de arrecadação de aproximadamente R$ 2,5 milhões, o que torna a medida incabível.

O Diretor Financeiro do SINTFEPI, Flaviano Santana, diz que, com o corte, das 29 equipes de blitzs, apenas 6 continuarão atuando na UNITRAN. “O Governo do Estado alega falta de orçamento para o pagamento das diárias. No entanto, esta economia é mínima diante do fato de os técnicos reduzirem o trabalho, representando uma perda aproximada de R$ 2,5 milhões”, explica Flaviano Santana.

Flaviano diz, ainda, que a expectativa de economia do Governo do Estado com o corte das diárias neste mês de dezembro é de R$ 240 mil. “Sem diárias, as equipes de fiscalização não viajam para o interior do Estado e, por consequência, haverá queda de mais de R$ 2 milhões em arrecadação para os cofres do Tesouro Estadual. Esta medida trará muito mais prejuízos que benefícios”, completa Flaviano.

Na última quinta-feira (3), os Técnicos da Fazenda Estadual se reuniram no Posto Fiscal da Tabuleta para discutirem as consequências do corte das diárias. “Em anos anteriores, o Governo colocava o pagamento das diárias de dezembro no orçamento do ano seguinte, como despesa do exercício anterior. Mas soubemos que isso não será feito agora, prejudicando não só os trabalhadores, mas o equilíbrio financeiro do Estado”, finaliza Flaviano Santana.

Técnicos Fazendários levarão problemas ocasionados pelo corte à Governador

Após a reunião no Posto Fiscal da Tabuleta, os Técnicos Fazendários decidiram levar ao governador Wellington Dias os problemas ocasionados com a diminuição das equipes de trabalho da Unidade de Fiscalização de Mercadorias em Trânsito (UNITRAN), da Secretaria Estadual da Fazenda, após o anúncio do corte de diárias do mês de dezembro. Para o Sindicato dos Técnicos da Fazenda Estadual – SINTFEPI, a decisão refletirá em perda de arrecadação e o aumento da sonegação fiscal.

Para Flaviano Santana, Diretor Financeiro do SINTFEPI, retirar os servidores do Fisco dos seus postos de trabalho é dar bandeira branca para a sonegação. “Vamos procurar o governador Wellington e apresentar nossas reivindicações, pois sabemos que ele entende a importância do trabalho dos técnicos para o equilíbrio financeiro do Estado. As equipes da Unitran reforçam a fiscalização feita nos postos fiscais através das blitzs. Tirar os trabalhadores das fiscalizações no interior é deixar as fronteiras abertas e facilitar o caminho daqueles que não pagam devidamente os impostos”, diz Flaviano.

Aproximadamente 130 trabalhadores, entre agentes das blitzs, coordenadores e supervisores, serão afetados com o corte as diárias. O Técnico Augusto Gonçalves, da Secretaria de Administração e Finanças do SINTFEPI, explica que as equipes de Trânsito são responsáveis por arrecadar R$ 600 milhões por ano em tributos para os cofres do Tesouro Estadual.

“Não entendemos como querem economizar diminuindo o trabalho dos técnicos. Em apenas uma operação, no Posto Fiscal de Cocal, conseguimos mais de R$ 74 mil em tributos. Parar o trabalho dos técnicos só gera prejuízos para o Estado”, diz Augusto. Com o corte anunciado, das 29 equipes que atuam na Unidade de Fiscalização de Mercadorias em Trânsito, apenas seis continuarão em atividade no mês de dezembro, representando um prejuízo de R$ 2,5 milhões, de forma direta e indireta.

Estrutura dos postos gera preocupação

Muitos postos fiscais já sentem o problema da falta de estrutura e de profissionais, que não viajam para o interior em razão do corte das diárias. Em Luzilândia, o posto encontra-se fechado. Há problemas como falta de água e de papel nos postos de Parnaíba e São João da Fronteira. “Sem falar nos carros das blitzs, que não temos em quantidade suficiente, e muitos já passam dos 300 mil quilômetros rodados”, finaliza o diretor financeiro do SINTFEPI, Flaviano Santana.

Publicado em Notícias dos filiados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *