Sonegômetro aponta débito tributário de R$ 327 bilhões em 2015

A sonegação no Brasil atingiu R$ 327 bilhões de janeiro a agosto e o estoque da dívida ativa da União deve chegar a R$ 1,5 trilhão até o fim do ano.

Os números, apurados pelo Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), estão expostos para quem quiser ver, no sonegômetro instalado em frente ao Museu Nacional, na Esplanada dos Ministérios. Até o fim do ano a sonegação deve passar de R$ 500 bilhões.

O que mais chama a atenção é que, se o governo investisse nos instrumentos de combate à sonegação, não seria necessário fazer ajuste fiscal, já que os R$ 327 bilhões sonegados até agora seriam mais do que suficientes para fechar as contas do governo e os brasileiros não precisariam pagar a fatura para sanar os problemas de caixa do país.

O Sinprofaz aponta ainda que, do total da dívida, de R$ 1,1 trilhão registrada até julho deste ano, praticamente dois terços, ou R$ 723,3 bilhões, estão concentrados nas mãos de grandes empresas e indústrias que representam menos de 1% do total de companhias registradas no país. “São 13 milhões de empresas e a maior parte da dívida é de apenas 12 mil companhias”, explica o presidente do Sinprofaz, Achilles Frias.

O setor industrial é o que concentra a maior parte dos débitos tributários. Grandes indústrias devem R$ 315,7 bilhões do total de R$ 1,1 trilhão da dívida ativa registrada até julho. O comércio está em segundo lugar, com R$ 278,8 bilhões. Construção civil e agricultura ocupam os sétimo e décimo lugares, com R$ 49 bilhões e R$ 19 bilhões, respectivamente.

O estudo revela ainda que os estados mais ricos, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, também são os que sediam os maiores devedores.

FONTE: SINDFAZCRE/PR

Publicado em Notícias dos filiados, Notícias gerais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *